home

plantel

contactos

plantel

apoios









media

uteis

arquivos

estatísticas

On-line



eXTReMe Tracker




quarta-feira, novembro 30, 2005

LIVRE OPINIÃO
Tempo Livre #5

» Um futebol de hábitos diferentes

Emil Kostadinov, antigo jogador do FC Porto, durante o USA'94

"Quando nasci, o meu clube não ganhava o campeonato há três anos. Curiosamente, o Sporting não ganha o campeonato há três épocas. Na altura, não se devia esperar que o jejum fosse tão longo. Nem eu tinha noção disso. Com 5 anos comecei a atribuir muita importância ao futebol. Aprendi a ler na revista anual do jornal A Bola e nasceu-me uma grande paixão pelo Sporting. Lembro-me vagamente da grande presença do Sporting na Uefa na época que chegou às meias-finais. Nos anos seguintes, fui percebendo o que era realmente o futebol, a decorar de cima a baixo os jogadores da Primeira Divisão, os golos marcados, as equipas onde jogaram, as épocas... e inclusivamente a altura e o peso.

O futebol do início dos anos 90 (até 93/94) é aquele que mais saudades me traz. Nessa altura, grande parte dos jogos eram disputados ao Domingo à tarde. Para mim, pouco importava até porque era novo demais para ir ao futebol e os meus pais nunca foram adeptos disso. No entanto, o Domingo à tarde tinha um carácter sagrado. Semanalmente, lá estava eu de ouvido na telefonia a ouvir Ribeiro Cristóvão, Fernando Correia e António Perestrelo, os nomes grandes da Rádio de então a darem-me as novas do futebol português.

Todos os jogos eram importantes, todas as divisões interessavam. Tenho saudades desse tempo. Nessa altura, não havia Sporttv e a RTP transmitia no máximo dois jogos por fim-de-semana, o que vinha dar maior importância aos jogos que davam, à possibilidade de ver 90 minutos de futebol. Lembro-me de ter feito uma guerra com a minha irmã mais velha para ver um Farense-Braga na RTP2 num Sábado à noite no Inverno. Os relvados não eram como são hoje, os equipamentos eram diferentes, mas a minha necessidade de ver o Farense de Hassan contra o Braga dos Chiquinhos e Forbs era intensa.
Tenho saudades dos fins-de-semana com chuva passados em casa a ouvir os relatos. Dos jogadores da Europa de Leste, um mercado tão bom que Portugal subvaloriza neste momento. O Sporting de Balakov e Iordanov (porque não Guentchev?), Juskowiak e Cherbakov, o Benfica de Yuran e Kulkov, o Porto de Mitharski e Kostadinov.

Na altura não havia Livescore.com, na altura não havia jornais online que acompanhassem os jogos em directo e muito menos blogs. A RTP2 tinha um projecto interessante, o "Na Hora". E era exactamente isso que eles faziam, actualizavam os resultados NA HORA enquanto transmitiam jogos da Lázio de Signori.
O futebol pode estar melhor, muito melhor, do que era há dez/quinze anos atrás, mas não consigo olhar para ele com a mesma magia que olhava dantes.

O Estoril de Borreicho, Passos e José Carlos, o Belenenses de Mauro Airez e Taira, o Famalicão de Mourato e Mitharski, o Paços de Jussie e Bozinowski Spassov, o Chaves de Karoglan, o Braga de Forbs e dos Chiquinhos, o Guimarães de Ziad, N'Dinga e Basaula, o Marítimo de Ewerthon e Alex, União da Madeira de Zivanovic e Jokanovic, Gil Vicente de Drulovic ou Capucho, Boavista de Ricky, Marlon Brandão e João Pinto, o Beira-Mar de Sousa e Dino, o Setúbal do fabuloso Yekini, o Salgueiros de Milovac e muitos outros que davam um brilhantismo diferente ao futebol. Não que fosse melhor... mas era diferente.
Alturas houve que derbies Benfica-Sporting não tinham transmissão televisiva e eram ao Domingo à tarde. Na altura, não gostava. Queria ver o meu Sporting, mas a verdade é que hoje, quando olho para trás, sinto falta desses jogos. De acompanhar apenas a ouvir.
Por mais estranho que possa parecer até dos Trigos, Garridos, Coroados, Pratas, Isidoros e outros sinto falta.

Hoje em dia tudo é diferente. Os históricos afundam-se, os grandes já não são clubes, são SAD's, o mercado africano e de Leste está cada vez mais longínquo e os jogos à tarde são... 4 no máximo. Em vez dos anteriores dois que mereciam transmissão televisiva, hoje são 5.
Espero que daqui a dez anos não volte a pensar o mesmo sobre o futebol de hoje.
Para o bem do futebol, espero que Setúbal, Estoril, Paços de Ferreira não desapareçam por dificuldades financeiras, a arbitragem esteja ainda mais em discussão, os clubes tenham cada um o seu calendário sem respeitar os "horários do público" e os grandes se sintam na necessidade de vender inclusivamente as cores e o nome do próprio clube".

# Artigo de Rui Silva
Publicado às 15:14


terça-feira, novembro 29, 2005

LUTO
Jogador francês do Utrecht morreu durante o sono



O mundo do futebol está novamente de luto com a morte de David Di Tommaso, jogador francês do Utrecht - clube da primeira divisão holandesa. Segundo as primeiras informações, o atleta morreu enquanto dormia e ainda não existe explicação para o sucedido.

Di Tommaso tinha 26 anos, foi internacional sub-21 pelo seu país e representou o AS Mónaco e o Sedan antes de se tranferir para o clube holandês.

# Artigo de Pedro Lopes
Publicado às 11:53


segunda-feira, novembro 28, 2005

LIGA PORTUGUESA
Porto vence em Barcelos

» Lucho González madrugou e colocou dragões na liderança

Gil Vicente 0-1 FC Porto
(Lucho González, 1')

» LIGA BETANDWIN.COM | 12ª Jornada
| Estádio Cidade de Barcelos, em Barcelos
| António Costa (AF Setúbal)

O FC Porto derrotou esta noite o Gil Vicente por uma bola a zero e regressou, cinco jornadas depois, à liderança da Liga Betandwin.com - em igualdade pontual com o Nacional.

Um golo do argentino Lucho González, no primeiro minuto, de cabeça, a passe de Ricardo Quaresma, foi o suficiente para os dragões trazerem três importantes pontos de Barcelos.

Num relvado em péssimas condições para a prática do futebol, escusado será dizer que os de Co Adriaanse começaram o jogo a ganhar. Na primeira jogada do encontro, ainda não estavam cumpridos os primeiros 60 segundos, Lucho marcou pela terceira vez na Liga no espaço de uma semana - actuando com Assunção e Ibson, o argentino tem outra liberdade e os resultados estão à vista.

Foi preciso esperar vinte minutos para surgir algum perigo numa das balizas. Excelente jogada de Lucho, mas Lisandro López não conseguiu dar o melhor seguimento ao lance, surpreendido pela rápida saída de entre os postes de Jorge Baptista.

Aos 37 minutos, surgiu o caso do jogo. Dentro da grande área, Carlitos foi claramente derrubado por César Peixoto, mas António Costa mandou seguir. O lateral-esquerdo portista voltou a cometer uma grande penalidade que passou despercebida à equipa de arbitragem, tal como havia feito há três semanas na Mata Real.

Os primeiros vinte minutos da segunda parte não trouxeram nada de novo ao jogo e Quaresma foi o primeiro a agitar as águas: isolado, não conseguiu desfeitear Jorge, que efectuou duas grandes defesas na mesma jogada - negou de seguida o golo a Lucho. Doze minutos volvidos, os mesmos protagonistas. Lucho rematou forte de fora da área, mas o guardião gilista opôs-se com mestria ao disparo do argentino.

Curiosamente, o Gil Vicente dispôs de duas grandes oportunidades (foram as únicas) nos últimos cinco minutos: primeiro, Lisandro cortou sobre a linha de baliza um cabeceamento de Leandro Netto; minutos depois, Gregory falhou escandalosamente o empate, depois de uma má intervenção de Vítor Baía.

O Porto somou a sua terceira vitória consecutiva e assumiu de novo a liderança da Liga Portuguesa, com 27 pontos conquistados. A turma de Ulisses Morais, por seu turno, não vence há sete jornadas e mantém os mesmos 11 pontos que tinha à partida para este desafio.

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 22:32



LIGA PORTUGUESA
Belenenses empata na Luz

» Faltaram os golos, sobraram os casos

Benfica 0-0 Belenenses

» LIGA BETANDWIN.COM | 12ª Jornada
| Estádio da Luz, em Lisboa
| Pedro Proença (AF Lisboa)

O Benfica voltou a marcar passo em casa. Empatou sem golos com o Belenenses, muito por culpa da grande exibição de Marco Aurélio, e já não vence para a Liga há quatro jornadas. O Belenenses apareceu transfigurado na Luz, bem mais sólido defensivamente, e acabou por levar a água ao seu moinho, conquistando um importante ponto com vista à recuperação anímica da equipa.

Sem Simão e Petit, os encarnados começaram melhor. Entraram muito pressionantes e bastante rematadores, remetendo o Belenenses para o seu último reduto. A primeira oportunidade de golo pertenceu a Nuno Assis, que rematou de fora da área ao poste da baliza de Marco Aurélio.

Os forasteiros reagiram e souberam equilibrar as operações a meio-campo. Fábio Januário, ao rematar contra Nelson, deixou o primeiro aviso. Pouco depois, aos 27 minutos, Rúben Amorim arrancou um pontapé do «meio da rua» a levar a bola a embater no poste direito da baliza de Rui Nereu.

Dois minutos depois, o Benfica reclamou grande penalidade num lance envolvendo Nuno Assis e Vasco Faísca. O lateral belenense, com os braços, impediu a progressão do médio encarnado, mas Pedro Proença mandou seguir.

Na etapa complementar, apareceu no jogo Marco Aurélio, o melhor jogador em campo. Primeiro, negou com mestria o golo a Manuel Fernandes; posteriormente, defendeu um bom cabeceamento de Mantorras - o angolano tinha entrado pouco antes para o lugar de Karyaka.

Na primeira vez que saiu com perigo para o ataque, o Belenenses viu o auxiliar de Proença interromper-lhe (erradamente) uma jogada em que Romeu surgiu isolado perante Nereu. Minutos volvidos, Nuno Gomes introduziu a bola na baliza dos azuis do Restelo, mas lance foi (bem) anulado pelo árbitro assistente.

Aos 77 minutos, a Luz insurgiu-se de novo contra Pedro Proença. Após centro de Nelson, Nuno Assis cabeceou para mais uma defesa de Marco Aurélio. A bola ressaltou para a frente e tocou no braço de Rolando. A meu ver, Proença agiu correctamente ao nada assinalar.

Curiosamente, o Benfica desligou-se com toda esta confusão e o Belenenses aproveitou para se acercar da baliza de Nereu com maior perigo. Pelé esteve muito perto de marcar, enquanto Amaral preferiu assistir Paulo Sérgio quando tinha todo para fazer golo. Neste lance, foi a vez dos responsáveis do Belenenses pedirem grande penalidade. Paulo Sérgio tentou chegar ao passe de Amaral mas Nelson, vindo de trás, tirou-lhe o pão da boca. Um lance muito discutível. Ficam algumas dúvidas no contacto entre os dois jogadores, pelo que o lance fica ao critério do árbitro.

No último minuto do encontro, Mantorras esteve muito perto do golo da vitória, mas voltou a rematar por cima, tal como havia feito no Stade de France.

Desta forma, o Benfica cumpriu o seu quarto jogo sem vencer para a Liga Portuguesa e mantém-se em igualdade pontual com o Boavista, no sexto lugar, a 8 pontos do líder Nacional. O Belenenses, por seu turno, conquistou o segundo ponto da era Couceiro e soma agora 11.

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 00:49


domingo, novembro 27, 2005

LIGA PORTUGUESA
Sporting vence V.Guimarães

» Martins e Deivid construíram triunfo

Sporting 2-0 V.Guimarães
(Deivid, 51', Carlos Martins, 61')

» LIGA BETANDWIN.COM | 12ª Jornada
| Estádio José Alvalade, em Lisboa
| Elmano Santos (AF Madeira)

O Sporting venceu esta noite o V.Guimarães, por duas bolas a zero, e mantém o quarto lugar na Liga, agora a apenas quatro pontos do líder, o Nacional da Madeira.

Numa partida marcada pela ausência de Liedson, os leões entraram bem em jogo e dispuseram da primeira oportunidade, com Douala a rematar muito por cima. Os vimaranenses, vindos de um empate para a UEFA, equilibraram as operações a meio-campo, mas foi o Sporting que criou a primeira grande ocasião do desafio. Na transformação de um livre directo, Carlos Martins disparou um míssil que só parou na trave da baliza de Paiva. No entanto, o Vitória respondeu quase na mesma moeda. Lançado em profundidade, Paulo Sérgio isolou-se e, depois de uma recepção magnífica, rematou ao poste - Ricardo nada poderia fazer.

Até ao intervalo, saliência para uma entrada dura de Carlos Martins, que lhe poderia ter valido o segundo amarelo e consequente expulsão. Elmano Santos assim não entendeu e manteve o jogo com onze para cada lado.

Curiosamente, na segunda metade o número 5 da equipa leonina partiu a loiça toda. Logo aos 51 minutos, numa jogada de insistência, assistiu brilhantemente Deivid para o tento inaugural do encontro - ao segundo poste, de cabeça, o brasileiro não perdoou e marcou o seu quarto golo na Liga. Dez minutos depois, o mesmo Carlos Martins, com um remate forte e rasteiro, estreou-se a marcar esta temporada, na conversão de um livre directo descaído para a direita.

Na tentativa de reagir à desvantagem, Jaime Pacheco lançou Targino, Benachour e Dário, mas a defensiva leonina, em especial Tonel, esteve sempre muito atenta e Ricardo correspondeu com duas ou três intervenções muito boas, uma das quais a remate do tunisino.

Em suma, o Sporting foi mais eficaz, marcou nos momentos certos, e venceu justamente. Face à ausência de Liedson e depois da lesão de Rudolph Douala, os leões viveram da inspiração de Carlos Martins, da clarividência de Moutinho e da segurança de Custódio. Paulo Bento somou a sua terceira vitória consecutiva e tem um teste de fogo na próxima sexta-feira, no Dragão.

O Guimarães, por seu turno, acusou bastante o esforço do encontro com o Bolton e só soube reagir à altura no segundo tempo, depois da entrada de Bena e Targino. Os vimaranenses continuam na penúltima posição, apenas com 10 pontos conquistados.

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 21:38



LIGA PORTUGUESA
Jornada 12

» V.Setúbal continua na senda das vitórias

O V.Setúbal continua a boa campanha na Liga Betandwin.com. Os comandados de Norton de Matos derrotaram o Rio Ave, no Bonfim, e subiram provisoriamente ao quarto lugar, apenas a 4 pontos do líder. O central Auri, a um minuto dos noventa, marcou o único golo do encontro. Os sadinos continuam como a melhor defesa da Europa, apenas com 3 golos consentidos.

No Cidade de Coimbra, diante do E.Amadora, a Académica regressou às vitórias, novamente pela margem mínima e novamente com um golo de Marcel. À entrada do último quarto de hora, o ponta-de-lança brasileiro decidiu o jogo com um remate estupendo, marcando o seu oitavo tento da época. A turma de António da Conceição terminou o jogo com nove elementos (expulsões de Manu e Amoreirinha) e está sem marcar já há mais de 500 minutos.

De resto, nos outros jogos desta tarde, a U.Leiria empatou a uma bola com o «lanterna-vermelha» Penafiel, golos de Fábio Felício e Bibishkov, enquanto que o Paços de Ferreira venceu a Naval 1º Maio por três a um, com dois golos do brasileiro Ronny.

» Resultados desta tarde:

V.Setúbal 1-0 Rio Ave
(Auri, 89')

Académica 1-0 E.Amadora
(Marcel, 74')

U.Leiria 1-1 Penafiel
(Fábio Felício, 71'; Bibishkov, 86')

P.Ferreira 3-1 Naval
(Ronny, 3', 63', Júnior, 50'; Saulo, 11')

» Classificação Provisória:

JP
Nacional1227
Sp.Braga1226
FC Porto1124
V.Setúbal1223
Sporting1120
Boavista1219
Benfica1118
P.Ferreira1217
Marítimo1215
JP
10ºRio Ave1215
11ºAcadémica1214
12ºU.Leiria1212
13ºGil Vicente1111
14ºNaval1211
15ºE.Amadora1210
16ºBelenenses1110
17ºV.Guimarães1110
18ºPenafiel127

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 19:25


sábado, novembro 26, 2005

LUTO
Morreu Richard Burns



O famoso piloto de rally faleceu ontem à noite, pacificamente, vítima de um tumor cerebral.
Campeão do mundo em 2001, Burns descobriu a sua doença em 2003, tendo sido submetido a sessões de quimio e radioterapia, que deram algum resultado.

Passado algum tempo, e perante uma nova recaída, Burns submeteu-se a uma intervenção cirúrgica para tentar debelar o tumor. No entanto, não obstante algumas melhorias, há alguns dias entrou em coma para não mais de lá sair.

Parte assim, aos 34 anos, uma das mais famosas caras do rally mundial.

# Artigo de EV
Publicado às 13:27



LIGA PORTUGUESA
Nacional sobe à liderança

» Vitória frente ao líder dá liderança

Nacional 1-0 Sp.Braga
(Alonso, 28')

» LIGA BETANDWIN.COM | 12ª Jornada
| Estádio Engº Rui Alves - Madeira
| Paulo Baptista (AF Portalegre)

O Nacional da Madeira defrontou e venceu o Sporting de Braga esta noite por 1-0 em jogo a contar para a 12ª Jornada da Liga Portuguesa.

O brasileiro Alonso voltou a ser decisivo esta época e marcou o único golo do jogo à passagem do minuto 28, depois de uma boa tabelinha com Miguelito.

O Nacional entrou melhor em campo e esteve, desde o início, mais perto do golo. Do lado dos comandados de Jesualdo Ferreira, o Braga não conseguiu inverter a tradição de não vencer na Madeira e sentiu pela segunda vez o sabor amargo da derrota... novamente na Madeira.
A perder, Jesualdo Ferreira ainda lançou novamente Maxi Bevacqua no jogo, mas desta feita, o herói do jogo frente ao Benfica não conseguiu alcançar quaisquer resultados práticos.

Com esta vitória, o Nacional ascende ao 1º lugar da Liga Portuguesa com 27 pontos, mais um que o Braga no segundo posto.
Na próxima jornada, o Nacional desloca-se a Belém para defrontar o Belenenses, enquanto que o Braga recebe o Vitória de Setúbal.

# Artigo de Rui Silva
Publicado às 00:20


sexta-feira, novembro 25, 2005

LIVRE OPINIÃO
Tempo Livre #5

» A suposta batalha pela competitividade

Algo está mal no futebol português, nomeadamente na mentalidade do adepto português. Nos anos da grande hegemonia portista que culminou com a conquista do pentacampeonato com Fernando Santos, alertava-se para a falta de competitividade do panorama nacional, que levou inclusivé Sir Alex Ferguson a dizer, em 2004, que nos anos 90 o Porto "comprava campeonatos no supermercado". Por tudo isto, em 2000, quando o Sporting conquistou o título, a vitória foi celebrada não só pelos sportinguistas sedentos de novas vitórias após o jejum, bem como pela generalidade dos clubes em Portugal que encaravam esse campeonato como o ponto de viragem do futebol português, com maior competitividade e que, a pouco e pouco, os pequenos conseguissem começar a bater o pé aos grandes. Esta ideia era partilhada pelos adeptos de Porto, Benfica e Sporting.
Nem de propósito, o Boavista foi campeão no ano seguinte. Jaime Pacheco moldou uma equipa ao seu estilo e logrou alcançar um título que há decadas conhecia apenas três nomes.
A verdade é que, após esta vitória, o Boavista sofreu na pele o facto de ter subido ao Monte Olimpo. Começou a ser visto por um alvo a abater por todos e as suas derrotas a serem festejadas pelos adversários. O futebol já não era directo e com efeitos práticos, mas sim um futebol "sarrafeiro" e feio.

A saga da luta pela competitividade continuou alcançando grande destaque na época passada, naquela que foi aclamada como a que consagrou o campeão mais fraco de sempre. A competitividade chegou, mas segundo os peritos na matéria, foi causada pelo enfraquecimento dos grandes e não pela melhoria dos pequenos. Um Porto com três treinadores, um Benfica a jogar um futebol pouco atraente e um Sporting com uma irregularidade tremenda, levaram à consagração do Sporting de Braga como uma equipa em nítido crescimento.
Nesta época, o Braga continua o seu crescimento e é líder isolado com dois pontos de avanço sobre Porto e... Nacional e com seis sobre Sporting e... Vitória de Setúbal.
O que diz o perito que aclama pela competitividade? Os grandes é que estão a perder pontos. Ou pior ainda, o Braga não tem estofo... mais cedo ou mais tarde vão começar a perder pontos.

Analisando brevemente, o adepto do grande aclama pela competitividade mas não está preparada para ela. O que se diria se uma equipa que se chamasse "Benfica", "Porto" ou "Sporting" estivesse em primeiro lugar isolado e apenas tivesse perdido na Madeira (frente a um Marítimo de Bonamigo em crescimento), empatado na Amadora e em casa com o Porto? Ou seja, 11 jogos com apenas 7 pontos perdidos. Não estaria este grande a fazer um excelente registo?
Para o adepto simplista não. Porque é o Braga. Porque não é um grande, porque não tem estofo, porque tudo e mais alguma coisa. Porque o calendário que se avizinha é complicado. Estará melhor o Porto com empates com Setúbal em casa, Braga fora, Marítimo fora e derrota em casa com Benfica? Ou mesmo Benfica com derrotas em Alvalade, Braga, em casa com Gil Vicente e empates com Rio Ave em casa, Naval e Académica fora? Ou o Sporting que perdeu com a Académica, Paços de Ferreira e Nacional, empatando no Bessa e em Barcelos?

A verdade pura e simples é que não há vencedores antecipados e, como tal, calendários teoricamente favoráveis ou desfavoráveis não passam disso mesmo. Teoria.
O Braga tem 26 pontos, está em primeiro e merece-o. O adepto que gritava pela competitividade tem de estar satisfeito. O Nacional está com 24 pontos no terceiro lugar e merece-o. O adepto que aclamava pela competitividade tem de estar satisfeito. O Vitória de Setúbal tem 20 pontos no quinto lugar, com apenas 3 golos sofridos e muitos problemas financeiros e merece-o. Mais uma vez, só satisfação para o adepto "competitivo".

Porque será então que não é isto que se vê, lê e ouve no quotidiano?
Porque será que o Braga continua a ser visto como um clube secundário que nem sequer adeptos tem, já que eles são todos benfiquistas, como se ouve dizer por aí? Será que os jogadores do Braga se interessam com isso? Será que tem menos mérito por isso?
Não quererá este adepto 34 vitórias para o seu clube e competitividade nos jogos dos seus rivais?
Braga, Nacional e Setúbal encontram-se em posições respeitáveis com cerca de um terço do campeonato disputado e merecem destaque. Muito mais que Porto, Benfica e Sporting. E é isso que se sente? Não.
É o Porto que goleou, é o Sporting de Paulo Bento que começa a entrar no eixo e o Benfica de Koeman que atravessa uma má fase.
A verdade é que Braga, Nacional e Setúbal acabam por agradecer estes esquecimentos constantes e, semana a semana, continuam a somar pontos atrás de pontos.

Os pequenos estão cada vez mais próximos dos grandes e o Braga é já uma equipa que se bate com qualquer equipa portuguesa em qualquer campo. E não foram os grandes que ficaram piores, foi o Braga que conseguiu apostar na coesão, na regularidade, na seriedade e começa a ver os primeiros resultados.

# Artigo de Rui Silva
Publicado às 10:40


terça-feira, novembro 22, 2005

LIGA DOS CAMPEÕES
Jornada 5 - Dia 1

» Grupo D permanece confuso; Ajax, Bayern e Juve nos oitavos

» LIGA DOS CAMPEÕES
Jornada 5


» Grupo A:
Juventus 1-0 Club Brugge
Bayern 4-0 Rapid

JP
Bayern512
Juventus512
Club Brugge56
Rapid50

» Grupo C:
Barcelona 3-1 W.Bremen
Panathinaikos 1-2 Udinese

JP
Barcelona513
Udinese57
Panathinaikos54
W.Bremen54



» Grupo B:
Ajax 2-1 Sparta Praga
FC Thun 0-1 Arsenal

JP
Arsenal515
Ajax510
FC Thun53
Sparta Praga51

» Grupo D:
Man.Utd 0-0 Villarreal
Lille 0-0 BENFICA

JP
Villarreal57
Lille56
Man.Utd56
BENFICA55

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 21:31


segunda-feira, novembro 21, 2005

LIGA PORTUGUESA
Marítimo vence no Restelo

» Bonamigo mantém Couceiro sem vitórias

Belenenses 0-1 Marítimo
(Manduca, gp, 37')

» LIGA BETANDWIN.COM | 11ª Jornada
| Estádio do Restelo, em Lisboa
| Rui Costa (AF Porto)

O Marítimo foi ao Restelo vencer por uma bola a zero, resultado que lhe permitiu ascender ao nono lugar da Liga Betandwin.com.

Num jogo bem agradável, os insulares apresentaram-se diante do Belenenses motivados pela vitória da jornada passada frente ao Sp.Braga e acabaram por repetir o mesmo resultado de há quinze dias.

O brasileiro Kanu voltou a estar em plano de evidência, desta feita ao ser derrubado pelo guardião Marco Aurélio dentro da grande área. Na conversão do castigo máximo, Manduca não enjeitou a oportunidade e deu três pontos aos comandados de Paulo Bonamigo.

Na etapa complementar, com as entradas de José Pedro e Hassan Ahamada, o Belenenses, que não vence desde 19 de Setembro (3-1 ao V.Guimarães), ainda tentou reagir, mas os verde-rubros demonstraram uma segurança e tranquilidade incríveis, mantendo a vantagem até final.

José Couceiro fez o seu terceiro jogo ao leme dos azuis do Restelo e ainda não venceu nenhum - só empatou com o Boavista, na jornada transacta. O Belenenses está no antepenúltimo lugar, apenas com 10 pontos (note-se que à quarta jornada tinha 9). Bonamigo, por seu turno, continua o bom trabalho na equipa madeirense e levou o Marítimo à primeira vitória no Continente. Os insulares são nonos classificados, com 14 pontos somados.

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 23:21


domingo, novembro 20, 2005

LIGUE 1
Jornada 15

» Lyon tem título quase no bolso, Pauleta marca à antiga equipa

O Lyon está bem encaminhado para o penta-campeonato e dispõe agora de 12 pontos de vantagem sobre os mais directos perseguidores. No encontro do último sábado, o modesto Troyes ainda esteve em vantagem, mas o central brasileiro Cris bisou e deu mais três pontos à equipa de Houllier e Tiago (cumpriu castigo). No jogo grande da jornada, o PSG ganhou em Bordéus (0-2) e subiu ao segundo lugar da tabela, ultrapassando os Girondins. Pedro Pauleta marcou à sua primeira equipa em França e alcançou a liderança dos marcadores, com 8 golos.

De resto, destaque para a vitória do Rennes de Boloni sobre Toulouse (4-1) e para o Marselha, que venceu o Nantes (2-1). O português Delfim foi titular no Olympique mas foi substituído aos 70 minutos. O Lille, próximo adversário do Benfica na Champs, perdeu fora com o Auxerre (3-2).

» LIGUE 1 | 15ª Jornada:

» Sábado:
Marselha 2-1 Nantes
Lyon 2-1 Troyes
Lens 0-0 Metz
Ajaccio 0-1 Sochaux
AS Mónaco 1-0 St.Ettiene
Auxerre 3-2 Lille
Nancy 2-1 Le Mans
Estrasburgo 0-0 Nice

» Domingo:
Rennes 4-1 Toulouse
Bordéus 0-2 PSG
Classificação
JP
Lyon1539
PSG1527
Bordéus1527
18ºAjaccio1512
19ºMetz158
20ºEstrasburgo157

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 23:58



LIGA PORTUGUESA
Sporting ganha em Penafiel

» Liedson voltou a resolver

Penafiel 0-1 Sporting
(Liedson, 59')

» LIGA BETANDWIN.COM | 11ª Jornada
| Estádio 25 de Abril, em Penafiel
| Bruno Paixão (AF Setúbal)

84 dias depois, o Sporting regressou às vitórias longe de Alvalade ao vencer em Penafiel por uma bola a zero, resultado que lhe permite subir ao quarto lugar da tabela classificativa, a seis pontos do líder e a quatro do duo perseguidor.

A primeira parte foi muito fraquinha e só dois lances quebraram a letargia que foram os primeiros quarenta e cinco minutos. Primeiro, o senegalês N'Doye trabalhou bem na área e rematou forte à figura de Ricardo. Dois minutos volvidos, aos 25, boa jogada de Rogério no corredor direito, com João Moutinho a aparecer bem à entrada da área mas a rematar muito torto.

Na etapa complementar a partida foi mais emotiva, apesar dos poucos lances de perigo. Os jogadores de ambas as equipas demonstraram mais vontade, mas o jogo continuava pouco esclarecido, com muita luta na zona do meio-campo, onde Nilton, Bruno Amaro e Jorginho travavam um duelo interessante com Custódio, Sá Pinto e Moutinho.

No entanto, o Sporting chegou ao golo ainda antes do primeiro quarto de hora do segundo tempo. Na cobrança de um livre, João Moutinho cruzou para a pequena área e Avelino, estorvado pela acção de um companheiro e de Tonel, não conseguiu sacudir a bola. Rapidíssimo, Liedson acompanhou o lance e aproveitou a sobra, apontando o único golo do encontro - o seu sexto na Liga.

O Penafiel tentou reagir ao golo consentido, mas raramente conseguiu incomodar o último reduto dos leões, que hoje esteve bem mais atento. Só a entrada de Cristóvão mexeu um pouco com a equipa de Luís Castro, que antes apenas tinha criado relativo perigo numa falha tremenda de Polga - Bibishkov isolou-se, dividiu o lance com Tonel e ficou a reclamar grande penalidade.

Entretanto, Paulo Bento percebeu que a melhor maneira de defender o resultado era mantendo a posse de bola e fez entrar o médio Carlos Martins, que acabou por se revelar uma peça importante na manutenção da vantagem. Os durienses, até final, ainda beneficiaram de um livre muito perigoso (remate de N'Doye contra a barreira) e estiveram perto do golo da igualdade num bom cabeceamento de Roberto após cruzamento de Pedro Araújo.

Com esta vitória, Paulo Bento continua sem perder desde que assumiu o comando técnico da equipa leonina. O Sporting passa a somar 20 pontos, igualando na tabela o V.Setúbal e ultrapassando o rival Benfica. O Penafiel, que vinha de três jogos sem perder, permanece como «lanterna-vermelha», com 6 pontos amealhados.

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 21:07



LIGA PORTUGUESA
Jornada 11

» Nacional mantém terceiro lugar, V.Setúbal sobe ao quarto

Rio Ave 0-2 Nacional
(André Pinto, 66', Miguelito, 89')

Naval 0-3 V.Setúbal
(Pedro Oliveira, 71', Fábio Hempel, 78', 83')

E.Amadora 0-0 P.Ferreira

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 18:31



MASTERS CUP
Final

» Nalbandian derrota Federer e conquista Masters de Shanghai

Já está! Poucos o esperavam, mas David Nalbandian conquistou este domingo a Masters Cup de Shanghai, ao derrotar na final o suíço Roger Federer. O tenista argentino até esteve a perder por dois sets a zero, mas logrou a reviravolta e acabou por vencer pelos parciais de 6-7 (4-7), 6-7 (9-11), 6-2, 6-1 e 7-6 (7-3). Nalbandian infligiu a terceira derrota do ano a Federer (ganhou 82 e perdeu 3) e consolidou o estatuto de principal "dor de cabeça" do tenista suíço - este foi o sexto encontro, em dez, que Federer perdeu para o argentino.

David Nalbandian é que só tem motivos para festejar: derrotou o número um mundial, realizou a melhor exibição da sua vida e venceu uma das finais mais emocionantes de sempre, lançando a Argentina em festa.

Na variante de pares, a dupla francesa Fabrice Santoro e Mickaël Llodra sagrou-se campeã em Shanghai, vencendo na final a dupla formada pelo sérvio Nenad Zimonjic e pelo indiano Leander Paes - 6-7 (6-8), 6-3, 7-6 (7-4).

» TENNIS MASTERS CUP - Shanghai'2005

| Final - Singulares:

David Nalbandian (ARG) def. Roger Federer (SUI)
6-7 (4-7) | 6-7 (9-11) | 6-2 | 6-1 | 7-6 (7-3)

| Final - Pares:

Fabrice Santoro (FRA) / Mickaël Llodra (FRA) def. Leander Paes (IND) / Nenad Zimonjic (S&M)
6-7 (6-8) | 6-3 | 7-6 (7-4)


# Artigo de Da Rocha
Publicado às 12:48


sábado, novembro 19, 2005

LIGA PORTUGUESA
FC Porto goleia Académica

» 'Lucho' e 'Licha' bisam na "Noite das Pampas"

FC Porto 5-1 Académica
(Lucho González, 10', 90+3', Lisandro, 19', 76', C.Peixoto, 70'; Marcel, 90+4')

» LIGA BETANDWIN.COM | 11ª Jornada
| Estádio do Dragão, no Porto
| Carlos Xistra (AF Castelo Branco)

O FC Porto goleou a Académica por 5-1 e mantém-se na perseguição ao líder Sp.Braga. Curiosamente, Lucho González e Lisandro López resolveram imitar o seu compatriota Máxi Bevacqua e também bisaram na noite mais argentina da presente edição da Liga.

Com Quaresma e Lisandro nas alas, o FC Porto entrou muito acutilante e a defensiva academista passou por muitas dificuldades nos primeiros vinte minutos de jogo, período em que os dragões marcaram por duas vezes. Primeiro por Lucho González, a passe de Ricardo Quaresma, e depois por Lisandro López, após cruzamento de José Bosingwa da direita.

A Académica tentou reagir, mas o único lance de registo teve como protagonista o brasileiro Marcel que, sem ângulo, arrancou um portentoso remate à trave da baliza de Vítor Baía. Mesmo com este aviso, o Porto continuou dono e senhor do encontro até ao intervalo - sustentado no trio da linha média (Assunção, Lucho e Ibson) e com os extremos (Lisandro e Quaresma) em plano de evidência.

No segundo tempo, os estudantes entraram mais atrevidos e passaram mais tempo no meio-campo contrário. Contudo, excepção feita a um cabeceamento fraco de Gelson, raramente chegaram com perigo à baliza contrária. O Porto voltou a tomar conta do jogo e o resultado avolumou-se com alguma naturalidade.

Aos 70 minutos, César Peixoto marcou o terceiro, com um remate de fora da área com o seu pior pé, o direito. Marcou é como quem diz, porque a bola ressaltou na trave e bateu sobre a linha de golo. No entanto, quem sabe escaldado pelos casos anteriores, o auxiliar de Carlos Xistra considerou golo - erradamente. Lisandro "Licha" López aproveitou a embalagem e marcou o quarto poucos minutos volvidos, aproveitando uma defesa incompleta de Pedro Roma após remate de Jorginho.

Já em período de descontos, com um "chapéu" perfeito, Lucho González também bisou, desta feita a passe de... Vítor Baía. Faltavam poucos segundos para o final, mas ainda houve tempo para a Académica conseguir o tento de honra. A bola foi ao centro, Filipe Teixeira assistiu Marcel e o brasileiro pensou "vai mesmo daqui", batendo Baía com um remate do meio da rua - sétimo golo na Liga.

Em suma, o FC Porto assinou uma das melhores exibições da era Co Adriaanse e construiu a maior goleada do campeonato até ao momento. Os azuis-e-brancos mantêm-se na peugada do líder, agora com 24 pontos contabilizados. A turma de Nelo Vingada pagou caro o naufrágio inicial da sua defensiva. O desfecho final acaba por ser demasiado penalizador, mas o Porto hoje tinha a "máquina" bem afinada. Assim, a Briosa permanece no 12º lugar, no grupo das equipas com 11 pontos.

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 23:57



LIGA PORTUGUESA
Sp.Braga vence Benfica

» Máxi Bevacqua, o revolucionário, estreia-se a marcar e mantém bracarenses na liderança

Sp.Braga 3-2 Benfica
(Césinha, 67', Máxi Bevacqua, 86', 90+5'; Anderson, 20', Nuno Gomes, gp, 90+4')

» LIGA BETANDWIN.COM | 11ª Jornada
| Estádio Municipal de Braga, em Braga
| João Ferreira (AF Setúbal)

Há candidato em Braga. Num jogo que valeu pela última meia-hora, o Sp.Braga derrotou o Benfica por três bolas a duas e mantém a liderança isolada da Liga Betandwin.com, agora com 26 pontos, deixando o campeão em título a 8 de distância. O encontro desta tarde/noite ficou ainda marcado pela péssima arbitragem de João Ferreira, com inúmeros erros a prejudicar as duas equipas e, essencialmente, o espectáculo em si.

Com Simão e Quim de regresso à equipa titular e com Beto como principal novidade, o Benfica viu o Braga (com o seu esquema habitual) entrar melhor na partida, mas marcou primeiro. Aos 20 minutos, após canto de Petit, Anderson surgiu nas costas de Luís Filipe e cabeceou para o fundo das redes de Paulo Santos.

Nos minutos seguintes, o Sp.Braga tentou reagir e Jesualdo Ferreira abdicou de Abel e lançou Davide. Contudo, o melhor que os bracarenses fizeram no primeiro tempo começou nos pés de João Tomás e terminou nas mãos de Quim, ainda antes da entrada do extremo ex-E.Amadora. O Benfica, por sua vez, esteve muito perto de dilatar a vantagem, novamente num cabeceamento muito perigoso de Anderson - lance em tudo idêntico ao primeiro golo. Ao intervalo, o Benfica vencia com toda a justiça e parecia ter o jogo na mão, tal era a segurança patenteada pela equipa.

No entanto, na etapa complementar, o jogo transfigurou-se por completo. Simão e Jaime Júnior ficaram nos balneários e foram, respectivamente, rendidos por Karyaka e Castanheira. O jogo recomeçou numa toada de grande equilíbrio, mas tudo mudou a partir do minuto 62. Quim, com uma defesa assombrosa, negou o golo a Castanheira, na transformação de um livre directo. No minuto seguinte, Jesualdo corrigiu a equipa e tirou Davide e fez entrar Máxi Bevacqua para jogar nas costas de João Tomás. O ponta-de-lança argentino, que até hoje tinha sido pouco feliz em Braga, revolucionou por completo o encontro e acabou por ser o homem do jogo.

Aos 67 minutos, Jorge Luiz centrou da esquerda e Césinha restabeleceu a igualdade, com um remate de primeira e beneficiando de um erro tremendo de Quim - até então seguríssimo. O Braga cresceu e só não chegou à vantagem nos minutos subsequentes porque Bevacqua acertou com estrondo no poste e Vandinho rematou à figura de Quim. O jogo acalmou um pouco e Beto falhou um golo quase certo aos 81 minutos, naquela que foi a melhor oportunidade do Benfica no segundo tempo.

Enquanto Koeman não se decidia no banco, os arsenalistas queriam mais, foram audazes e tiveram um justo prémio, chegando à vantagem a quatro minutos do fim. Canto de Castanheira, desvio de Césinha e golo de Máxi, completamente solto na pequena área.

O Municipal de Braga entrou em festa e pensou-se que o vencedor estaria encontrado. Porém, João Ferreira achou por bem dar 6 minutos de descontos e, nesse período, resolveu assinalar uma grande penalidade fantasma, por suposta mão na bola de Nem. Na conversão, Nuno Gomes empatou novamente a partida, mas Máxi Bevacqua não estava para aí virado e, partindo de posição irregular, voltou a colocar o Braga na frente, no minuto seguinte, noutro lance em que Quim não fica isento de culpas.

Estava reposta a justiça no marcador. 'Habemus' candidato ao título em Braga.

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 18:58


sexta-feira, novembro 18, 2005

FUTEBOL DE A a Z
A evolução da estratégia #3

» Alf Ramsey e o 4x3x3

No campeonato do Mundo de Inglaterra, o seleccionador Alf Ramsey institucionalizou o 4x3x3 e o que é mais importante - introduziu-lhe um sistema de contra-ataque ao invés de uma constante ofensiva. No seu sistema, o quarteto defensivo era formado por Cohen, Jack Charlton, Moore e Wilson, mas Moore mantinha-se ligeiramente atrasado em relação aos seus companheiros e os dois laterais lançavam-se, frequentemente, no ataque. Quando o faziam, ficava para trás Stiles, com a missão básica de destruir o jogo da equipa advresária no meio do campo e apoiar a sua defesa - o hoje conhecido como médio de cobertura defensiva.

Os verdadeiros criadores de jogo eram Bobby Charlton, Peters e Ball, em especial o primeiro que era o "cérebro" da equipa. Peters jogava com a camisola 11, mas nunca ocupava a posição teoricamente correspondente a esse número e deixava aberto um corredor por onde se podia lançar o lateral Wilson. O jovem Ball jogava alternadamente no centro ou em ponta, mas raras eram as vezes que cumpria a função de extremo segundo o esquema tradicional. Na frente, fixavam-se os atléticos Hurst e Hunt - os verdadeiros avançados-centro no esquema tradicional.

A disposição determinada por Ramsey era, em consequência, um 4x3x3 muito distinto do empregado em 1962 pelos brasileiros, porque na frente de ataque não havia um avançado e dois extremos. Pelo contrário, havia dois avançados e um "falso" extremo que tanto podia ser Ball, Wilson ou Cohen (os dois laterais). Para Stiles ficava a tarefa de marcação do médio adversário mais perigoso. Em todos os sentidos, a mentalidade de Ramsey era claramente defensiva. Ainda que o pragmatismo do sistema - tipicamente inglês - fosse indiscutível, até pelos resultados alcançados. A partir de 1966, a evolução das tácticas assentou sempre sobre o sistema de 4x3x3 idealizado por Ramsey.

» O retorno dos brasileiros

A vitória do Brasil - dirigida pelo ex-bicampeão mundial Zagallo - no Mundial de 70 foi, em contrapartida, outra demonstração de uma estratégia posta ao serviço das características individuais de cada jogador. Pelé, no ponto alto da sua carreira, assumiu a direcção táctica no terreno de jogo, desdobrando-se nas funções de centrocampista, coordenador de jogo e avançado.

O Brasil mantinha o quarteto defensivo em linha - utilizando sistematicamente o fora de jogo - mas os defesas laterais saíam com menos frequência da sua zona. No centro, Pelé, Clodoaldo e Gerson, este último como coordenador de todo o jogo e efectuando lançamentos frequentes para os homens da frente. Ali assentava a variante táctica da equipa: Tostão, um avançado que se movia com inteira liberdade na zona da frente, criava, frequentemente, espaços abertos pelo centro do terreno onde penetrava o poderoso extremo Jairzinho e o próprio Pelé, assim como o talentoso Rivelino, que também apoiava os centrocampistas. Esta táctica desconcertou os italianos na final, que continuavam agarrados ao seu catennacio de marcação individual. A mobilidade de Tostão e dos seus companheiros criou enormes vazios defensivos e o resultado final foi um rotundo 4-1.

Fonte: História do Futebol de Manuel de Sousa

Ligações:

» A evolução da estratégia #1
» A evolução da estratégia #2

# Artigo de Rui Silva
Publicado às 11:34


quinta-feira, novembro 17, 2005

TAÇA DE PORTUGAL
Sorteio da 5ª Eliminatória



Realizou-se esta tarde o sorteio da 5ª Eliminatória da Taça de Portugal, sendo que o grande destaque vai para o encontro Naval 1º de Maio - FC Porto - os portistas deslocam-se à Figueira da Foz naquele que será o único confronto entre primodivisionários desta eliminatória.

O sorteio ditou ainda que o Benfica jogará no reduto do Tourizense, equipa da II Divisão que no passado sábado afastou o Paços de Ferreira, e que o Sporting receberá, em Alvalade, o Vizela, actual 13º classificado da Liga de Honra.

Nas restantes partidas, merecem especial atenção o dérbi do distrito de Setúbal, entre o Pinhalnovense e o actual detentor do troféu, e o encontro entre Lixa e Ribeirão, dois dos "tomba-gigantes" da ronda anterior. Por último, saliência para a recepção do Desp.Aves ao Sp.Braga e para o Souropires, formação da III Divisão que recebe o E.Amadora na Beira Alta.

As partidas estão marcadas para o dia 11 de Janeiro de 2006, novamente a meio da semana, a uma quarta-feira. Costumam chamar-lhe a "Festa da Taça"...

» TAÇA DE PORTUGAL
5ª eliminatória - 11/Janeiro/2006:


Naval - FC Porto
Tourizense - Benfica
Sporting - Vizela
Desp.Aves - Sp.Braga
V.Guimarães - Estoril
Souropires - E.Amadora
Portomosense - Marítimo
Louletano - Académica



Pinhalnovense - V.Setúbal
Aljustrelense - Oliveirense
Nacional - Fátima
Boavista - Abrantes
Lixa - Ribeirão
Sp.Covilhã - Vila Meã
Paredes - Lagoa

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 16:27



MUNDIAL'2006
Play-Off - 2ª mão

» Suíça passa no 'inferno' de Istambul, Espanha e Rep.Checa qualificam-se com naturalidade

A Suíça sobreviveu ao inferno do Sukru Saracoglu e qualificou-se para o Alemanha'2006, ao perder por 4-2 na Turquia. Num jogo electrizante e perante um ambiente hostil, os helvéticos até inauguraram o marcador bem cedo, por Alexander Frei, na transformação de uma grande penalidade, mas depois assistiram à reacção intempestiva da selecção turca, que aos 52 minutos já vencia por 3-1 (ainda insuficiente para seguir em frente).
No entanto, os pupilos de Jakob Kuhn não se atemorizaram e Marco Streller arrumou a questão, a seis minutos dos noventa, colocando a Suíça num Mundial, doze anos depois. Sanli Tuncay, com um "hat-trick", foi a figura de um encontro que terminou com os suíços a abandonarem o relvado sob uma tremenda chuva de objectos.

No Tehelné Pole de Bratislava, a Espanha também carimbou o passaporte para terras germânicas, empatando a uma bola com a Eslováquia, adversária de Portugal no Grupo 3. Os espanhóis levavam uma vantagem confortável (5-1) que nem o golo de Holosko no início do segundo tempo conseguiu abalar, sendo que David Villa, avançado do Valência, ainda logrou empatar para os de Luis Aragonés.

Por último, a Rep.Checa repetiu em Praga o resultado de Oslo (1-0) e eliminou a Noruega. Tomas Rosicky, aos 34 minutos, marcou o único golo do desafio, que confirmou a presença dos checos no grande palco do futebol mundial. Recorde-se que Pavel Nedved e companhia já tinham ficado de surpreendentemente de fora do Coreia/Japão'2002 e só agora fazem a sua estreia em Mundiais.

» MUNDIAL'2006 - Play-Off - 2ª mão

Eslováquia 1-1 Espanha | 2-6 no agregado
(Holosko, 49'; David Villa, 70')

Rep.Checa 1-0 Noruega | 2-0 no agregado
(Rosicky, 34')

Turquia 4-2* Suíça | 4-4 no agregado
(Sanli Tuncay, 25', 38', 89', Necati, gp, 52'; Frei, gp, 1', Streller, 84')

Austrália *1-0 Uruguai | 1-1 no agregado | 4-2 nas g.p.
(Marco Bresciano, 34')

Bahrein 0-1 Trinidad & Tobago | 1-2 no agregado
(Dennis Lawrence, 49')

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 00:11


quarta-feira, novembro 16, 2005

MUNDIAL'2006
Trinidad & Tobago junta-se à Austrália

» 'Soca Warriors' não prestaram atenção ao desejo dos asiáticos

Arábia Saudita e Bahrain na fase final do Mundial?... Os tobaguenhos não ligaram e fizeram a festa do apuramento.
Foto: REUTERS

Dennis Lawrence foi o herói dos tobaguenhos.A selecção tobaguenha logrou hoje um feito único no seu futebol. Depois do empate caseiro com o Bahrain a um golo, a selecção de Russel Latapy e Dwight Yorke deslocou-se ao continente asiático para defrontar o Bahrain, selecção que já havia ganho o playoff asiático ante o Uzbequistão, e garantiu o apuramento para o Mundial da Alemanha.

Em Manama, no Estádio Nacional do Bahrain, a selecção de Trinidad & Tobago conseguiu limpar o resultado desfavorável da primeira mão (1-1) e venceu por 1-0 com golo do recém-herói Dennis Lawrence, jogador do modesto Wrexham.

Desta forma, os Soca Warriors, comandados pelo holandês Leo Beenhakker, tornam-se no quarto representante da zona da América do Norte e Central (CONCACAF), depois das qualificações directas do México, EUA e Costa Rica.

# Artigo de Rui Silva
Publicado às 17:45



MUNDIAL'2006
Austrália reserva viagem

Jogadores australianos 'correm' para o Mundial da Alemanha
Fotos: AFP

A Austrália é a mais recente apurada para o Mundial da Alemanha após ter eliminado o Uruguai no Playoff que opunha o vencedor da Zona Oceânia perante o quinto classificado da Zona Sul-Americana.

Depois da derrota registada no Uruguai no Sábado passado por 1-0, a Austrália eliminou a selecção de Zalayeta e Recoba nas grandes penalidades (4-2) após o 1-0 do tempo regulamentar.

Austrália novamente num Mundial, 32 anos depoisOs 82 mil espectadores presentes no Olímpico de Sydney vibraram apoiaram a sua equipa durante todo o jogo e vibraram de emoção quando John Aloisi selou o triunfo nas grandes penalidades após falhanços de Mark Viduka pela Austrália e de Dario Rodriguez e Marcelo Danubio Zalayeta pelo Uruguai.

Marco Bresciano marcou o golo solitário da Austrália aos 34 minutos da primeira parte.

32 anos depois, a Austrália volta a garantir um apuramento para a fase final de um Mundial, demonstrando especial apetência para marcar presença em Mundiais em solo germânico.

# Artigo de Rui Silva
Publicado às 13:20


segunda-feira, novembro 14, 2005

FUTEBOL DE A a Z
A evolução da estratégia #2

» A "revolução" do 4x2x4

Ao treinador brasileiro Feola é atribuído o mérito de ter sabido "limar" as falhas que o sistema 4x2x4 apresentava, conferindo-lhe uma nova dimensão através da aplicação de linhas metódicas, se bem que este sistema já tivesse sido aplicado pelos húngaros e provavelmente por outras selecções. A particularidade do sistema brasileiro - apresentado no campeonato do Mundo de 1958 - consistia na utilização sistemática do "fora de jogo" como táctica defensiva e no apoio que os laterais prestavam ao jogo ofensivo, especialmente o lateral-esquerdo Nilton Santos, jogador de grande robustez física.

O 4x2x4 brasileiro situava no centro do campo Didi e Zito, apoiados por um falso extremo-esquerdo como Zagallo, que se atrasava muitas vezes deixando caminho aberto para o avanço do lateral Nilton. Na frente de ataque pontificavam Garrincha, Vavá e Pelé - com apenas 18 anos no seu primeiro Mundial - de maneira a que o 4x2x4 funcionava, por vezes, num 4x3x3, se bem que o seu carácter ofensivo, imposto pelos brasileiros, permitiu conseguir resultados espectaculares como o 5-2 com que derrotou a Suécia na final.

Quatro anos após o Mundial da Suécia, o esquema sofreu alterações, contribuindo para isso a "imigração" e o desgaste físico de Didi e Vavá, entre outros, e o técnico brasileiro decidiu que os jogadores se pusessem ao serviço de uma "nova" estratégia que na realidade se havia aplicado em 1958 - o 4x3x3. Esta mudança tornou-se mais rígida quando Pelé se lesionou na primeira partida de 1962. Didi e Zito encarregaram-se do centro do campo, juntamente com Zagallo, que renunciou à sua finção de "falso" extremo, enquanto que na ponta se fixavam Vavá, Garrinha e o jovem Amarildo.

» Declínio do 4x2x4

A estratégia de Vincent Feola foi imitada em todo o mundo. A utilização de um quarto defesa foi considerado como um recurso defensivo em relação ao velho WM, mas esquecia-se que na frente se colocavam quatro avançados, enquanto que no sistema de Chapman só havia três.

Não obstante, com o passar dos anos, este esquema ficou desfasado e no seu lugar apareceu claramente definido o 4x3x3 em que, pela primeira vez, ficava estabelecida uma superioridade numérica dos defesas sobre os atacantes. Dito de outra maneira, admitia-se que a aparição de um defesa livre de marcação ou em função de "líbero" que se colocava por trás da linha defensiva.

Do ponto de vista racional, a adopção do 4x2x4 implicou uma ocupação simétrica do terreno de jogo, mas era evidente que deixava a construção defensiva a dois únicos jogadores - com o apoio irregular dos laterais e de um dos extremos. Estes últimos seriam as verdadeiras "vítimas" dos novos sistemas e a sua função tradicional de tipo ofensivo ficava esfumada, em especial a partir da adopção do 4x3x3.

Fonte: História do Futebol de Manuel de Sousa

# Artigo de Rui Silva
Publicado às 11:31


domingo, novembro 13, 2005

FUTEBOL DE A a Z
A evolução da estratégia #1

» WM de Chapman

O aparecimento do sistema WM de Herbert Chapman revolucionou a estratégia num ponto fulcral. Pela primeira vez uma táctica visava uma divisão racional do terreno de jogo, já que a posição dos jogadores em campo atingia uma simetria de que até então não havia registo. O WM partia de um princípio: os jogadores passavam a estar implicitamente ao serviço da estratégia, ou seja, a cada posição no campo correspondia um jogador com determinadas características. Os extremos tinham que ser rápidos, os dois médios interiores eram dotados de boa resistência física e o central era o jogador mais alto e o de maior poder de elevação (já que deveria proceder aos corte com a cabeça dos centros executados para a área pelos extremos da equipa adversária).

» A estratégia ao serviço da equipa

Alguns treinadores e teóricos chegaram a pôr como hipótese que a estratégia devia estar ao serviço dos jogadores e que, por isso, a táctica a adoptar se devia realizar de acordo com as características de um plantel. No entanto, esta ideia só se poderia realizar quando a qualidade dos jogadores, física e técnica, fosse suficientemente boa para subverter os esquemas tradicionais.

O Honved de Budapest e a selecção húngara foram as primeiras equipas a aplicar este esquema em 1952. Apesar do 4x2x4 ter sido dado a conhecer apenas em 1958 com a selecção brasileira, a disposição adoptada pelos magiares já previa a utilização de dois avançados centro: Kocsis e Puskas, enquanto que Hidegkuti jogava numa posição mais recuada. As características complementares dos dois avançados reforçava a equipa no poderio ofensivo que lhe permitia assim excelentes resultados, apesar das limitações defensivas. O jogo de cabeça de Kocsis e o fenomenal pé esquerdo de Puskas solicitados pelos centros perfeitos de Czibor puseram em prática a ideia de que a estratégia podia estar ao serviço dos jogadores se estes fossem tecnicamente dotados.

Fonte: História do Futebol de Manuel de Sousa

# Artigo de Rui Silva
Publicado às 21:44


domingo, novembro 06, 2005

LIGA PORTUGUESA
FC Porto vence na Mata Real

» Quaresma partiu a mobília na Capital do Móvel

P.Ferreira 0-1 FC Porto
(Ricardo Quaresma, 11')

» LIGA BETANDWIN.COM | 10ª Jornada
| Estádio da Mata Real, em Paços de Ferreira
| Pedro Proença (AF Lisboa)

O FC Porto ganhou em Paços de Ferreira por uma bola a zero e encurtou a distância que o separa do líder Sp.Braga. Um triunfo muito suado e com a assinatura de Ricardo Quaresma, que a cada partida se afirma como o principal artista da companhia azul-e-branca. É caso para dizer que a noite fria da Mata Real (6 ºC) só foi aquecida pelo talento do camisola 7 dos dragões.

José Mota apostou no habitual 4x3x3, com três médios consistentes e três vagabundos na frente, enquanto Co Adriaanse deu a titularidade a César Peixoto, Lisandro López e Ibson. O FC Porto entrou em jogo bastante acutilante e o médio brasileiro, hoje com o papel de "dez", fez questão de justificar a opção do treinador holandês, logo aos 11 minutos. Lançado por Paulo Assunção, Ibson cruzou atrasado para a zona da marca da grande penalidade, onde surgiu Ricardo Quaresma, em grande estilo, a rematar sem hipóteses para Peçanha. Revendo a jogada, pode-se reparar que foi o próprio Quaresma a dar início ao lance. Excelente golo.

O Paços de Ferreira tentou reagir à desvantagem, mas só desceu à baliza de Baía por volta dos 25 minutos e por culpa de um deslize defensivo de Pepe. Didi ganhou a bola a meio-campo e deu origem a um lance muito polémico. Dentro da grande área, Pepe e César Peixoto atrapalharam-se e o lateral-esquerdo, inadvertidamente ou não, jogou mesmo a bola com a mão. O lance fica ao critério de Pedro Proença, mas parece ter ficado uma grande penalidade por marcar.

No reinício do encontro, novo erro da equipa chefiada pelo árbitro lisboeta. Ibson assistiu Hugo Almeida para o segundo golo dos portistas, mas o lance foi (muito mal) anulado pelo auxiliar de Proença. É tão evidente que Hugo Almeida está em jogo que nem se pode falar em "polémica". É incompetência, cegueira, distracção ou o que lhe quiserem chamar. Não é polémica. Que fim-de-semana desastroso!...

José Mota refrescou o ataque, fazendo entrar Ronny para o lugar Edinho, mas os pacenses não melhoraram significativamente em nenhum aspecto. Bateram-se melhor do que no primeiro tempo e pouco mais. Lances de perigo, nem vê-los...

O melhor lance do segundo tempo acabou por ter origem nos pés de Ricardo Quaresma (sempre ele!). O extremo passou como quis por dois adversários e cruzou para o segundo poste, onde apareceu Bosingwa na insistência a assistir Lucho González, que rematou para defesa de Peçanha.

Até final, destaque para a troca de Ibson por Raúl Meireles já em período de descontos, o que demonstra bem a importância destes três pontos para o grupo de Co Adriaanse. É que assim, com esta vitória, o FC Porto ganhou pontos a Sp.Braga e Benfica e pode, juntamente com o Nacional, assaltar a liderança daqui a duas semanas, quando arsenalistas e encarnados se defrontarem no Minho. O P.Ferreira, por seu turno, continua muito bem no "seu" campeonato, a meio da tabela, com 13 pontos contabilizados.

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 23:57



LIGA PORTUGUESA
Rio Ave empata na Luz

» Petit "fez" de Simão nas bolas paradas

Benfica 2-2 Rio Ave
(Petit, 31', 85'; Cleiton, 25', Chidi, 55')

» LIGA BETANDWIN.COM | 10ª Jornada
| Estádio da Luz, em Lisboa
| Paulo Pereira (AF Viana do Castelo)

Benfica e Rio Ave empataram na Luz a duas bolas, em jogo da 10ª jornada da Liga Betandwin.com. Os vilacondenses estiveram duas vezes em vantagem e bem perto do triunfo, mas um livre de Petit, o segundo, atenuou os estragos para o campeão nacional, que perdeu uma boa oportunidade de se chegar ao líder Sp.Braga, com quem joga dentro de duas semanas.

Koeman apresentou Beto, Ricardo Rocha e João Pereira como novidades em relação ao último jogo, cabendo a Geovanni desempenhar as funções do ausente Simão. Do outro lado, António Sousa jogou com o esquema habitual, com Mozer, Delson e Niquinha no meio-campo e Cleiton do lado esquerdo a fechar o corredor de Nelson.

Os encarnados começaram melhor, com alguma dinâmica e com segurança no passe, mas os vilacondenses equilibraram as operações e chegaram mesmo ao golo, por volta dos 25 minutos. O lateral Zé Gomes trabalhou bem na direita e cruzou para o interior da área, onde surgiu Cleiton, em vólei, a fuzilar Rui Nereu.

O Benfica reagiu e chegou à igualdade pouco depois. Bem junto à linha de grande área, o grego Karagounis, que se mostrou muito individualista, sofreu uma falta de Danielson que Paulo Pereira assinalou prontamente. Na transformação do livre directo, Petit rematou fortíssimo e contou com o desvio em Niquinha para bater Mora.

Na etapa complementar, o Benfica entrou bem mais pressionante, conquistou alguns cantos, mas a "muralha" defensiva vilacondense conseguiu suster esse ímpeto inicial. Curiosamente, foi na sequência de um pontapé de canto que os verde-e-brancos voltaram a colocar-se na frente do marcador. Milhazes cruzou da esquerda, Gaúcho amorteceu e o nigeriano Chidi bateu Nereu pela segunda vez. No entanto, Gaúcho partiu de posição irregular para receber o serviço de Milhazes. Erro do auxiliar de Paulo Pereira.

Na resposta, Luisão rematou à figura de Mora, que evitou o empate com uma defesa enorme. Ronald Koeman mexeu na equipa, fazendo entrar Karyaka, Nuno Assis e Mantorras, e o jogo dos encarnados melhorou ligeiramente, especialmente por influência do russo. Contudo, o Benfica raramente criava perigo para a baliza contrária e foi preciso recorrer à "bomba" para voltar a empatar o encontro. Na transformação de um livre directo, ao cinco minutos dos noventa, Petit bisou, levando a bola a entrar à direita de Mora.

Até final, Nuno Assis e Evandro estiveram muito perto de desfazer a igualdade, mas ambos os remates saíram ligeiramente ao lado do alvo pretendido.

Desta forma, o Benfica não aproveita o deslize do líder Braga, perde terreno para o Nacional e pode ainda ver fugir o FC Porto. O Rio Ave esteve a cinco minutos de subir ao grupo dos quartos classificados, mas continua a realizar um bom campeonato, agora no oitavo lugar, com 15 pontos amealhados.

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 21:07



LIGA PORTUGUESA
Jornada 10

» Nacional aproxima-se do líder

Nacional 2-0 Naval
(Anic, 70', Alexandre Goulart, gp, 89')

O Nacional venceu, na Choupana, a Naval por duas bolas a zero e subiu, à condição, ao segundo lugar da Liga Betandwin.com. Os navalistas jogaram durante todo o segundo tempo em inferioridade numérica (expulsão de Bessa), mas os comandados de Manuel Machado só chegaram aos golos nos últimos 20 minutos de jogo. Anic inaugurou o marcador e Alexandre Goulart, tal como tinha feito há uma semana na Reboleira, fixou o resultado final, agora na conversão de uma grande penalidade.

» Aflitos repartem pontos

Gil Vicente 2-2 Penafiel
(Carlos Carneiro, 27', Carlitos, 57'; N'Doye, 54', Bibishkov, 60')

Em Barcelos, Gil Vicente e Penafiel empataram a uma bola. Os gilistas somaram o seu quinto jogo sem vencer, mas estiveram em vantagem, fruto do golo de Carlos Carneiro. Numa segunda parte electrizante, os durienses empataram por N'Doye, mas Carlitos voltou a colocar os homens da casa na frente, três minutos depois. Contudo, novamente três minutos depois, o búlgaro Bibishkov fixou o 2-2 final.
O Gil está no 12º lugar, com 11 pontos, enquanto o Penafiel continua em último, agora com 6 pontos.

» Sadinos sobem ao grupo dos quartos classificados

V.Setúbal 1-0 E.Amadora
(Fábio Hempel, 42')

O V.Setúbal continua a sua excelente campanha na Liga e venceu o E.Amadora com um golo do brasileiro Fábio Hempel. Os tricolores jogaram com menos um jogador desde os dez minutos de jogo (expulsão do central Maurício), somaram a sua terceira derrota consecutiva e mantêm os 9 pontos que tinham à partida para esta ronda. O golo de Fábio foi suficiente para a turma de Norton de Matos conquistar mais 3 pontos e chegar aos 17. Os setubalenses estão agora em sexto lugar e permanecem como uma das melhores defesas da Europa - 3 golos sofridos.

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 18:36


sábado, novembro 05, 2005

LIGA PORTUGUESA
Belenenses e Boavista repartem pontos

» Couceiro pontua pela primeira vez


Foto: PÚBLICO

Belenenses 1-1 Boavista
(Meyong, gp, 72'; João Pinto, 87')

» LIGA BETANDWIN.COM | 10ª Jornada
| Estádio do Restelo, em Lisboa
| Bruno Paixão (AF Setúbal)

46 dias depois, o Belenenses voltou a pontuar na Liga Betandwin.com. O último triunfo foi sobre o V.Guimarães, sendo que a partir daí o clube do Restelo somou por derrotas os encontros disputados. Entretanto, Carvalhal caiu e chegou José Couceiro, que diante do Boavista somou o primeiro empate da época dos homens da Cruz de Cristo. Os axadrezados é que continuam sem vencer fora do Bessa.

O Belenenses dominou territorialmente durante o primeiro tempo, mas foram raras as vezes em que fez perigar a baliza de Carlos. Os comandados de Brito tentaram reagir, no entanto os seus sectores pareciam algo distantes e a defesa belenense conseguiu, com maior ou menor dificuldade, pôr cobro às tímidas iniciativas dos boavisteiros.

Pese as poucas oportunidades de golo, o Belenenses esteve perto do primeiro golo, bem à beirinha do final do primeiro tempo, num lance que teve como protagonista o jovem Paulo Sérgio e no qual Areias, sobre a linha, substituiu Carlos por duas vezes.

A segunda parte começou como havia terminado a primeira, e com um lance na mesma baliza, agora à guarda de Marco Aurélio. Cadú cabeceou para golo mas viu Silas negar-lhe o tento. O Boavista dava mostras de querer pegar no jogo em definitivo, porém foi o Belenenses a inaugurar o marcador, à entrada para o último quarto-de-hora.

Bruno Paixão entendeu um corte de Areias, na grande área, como mão na bola, marcou grande penalidade e mostrou o segundo amarelo ao lateral axadrezado. Na transformação do castigo máximo, o camaronês Meyong bateu Carlos e marcou o seu oitavo golo da época.

O Boavista esteve apenas dois minutos em desvantagem numérica, porque Meyong envolveu-se com Cadú e recebeu igualmente ordem de expulsão. Carlos Brito arriscou tudo com as entradas de Cafú e Diogo Valente e a sua equipa foi recompensada a três minutos dos noventa, numa benesse de Marco Aurélio, que minutos antes tinha negado o golo ao cabo-verdiano Cafú. João Vieira Pinto rematou de muito longe, aparentemente sem perigo, mas o "Imperador" deixou a bola escapar para o fundo das suas redes, permitindo a divisão de pontos.

Desta forma, o Boavista soma agora 15 pontos e ocupa, à condição, o sexto lugar da tabela. O Belenenses, por seu turno, conquistou o seu décimo ponto e permanece na metade inferior da tabela, bem próximo da zona de despromoção.

# Artigo de Da Rocha
Publicado às 23:53



LIGA PORTUGUESA
Marítimo vence Sp.Braga

» Toque sul-ameri"Kanu" na primeira derrota do Braga

Marítimo 1-0 Sp.Braga
(Kanu, 37')

» LIGA BETANDWIN.COM | 10ª Jornada
| Estádio dos Barreiros, no Funchal
| Lucílio Baptista (AF Setúbal)

O Marítimo quebrou a invencibilidade do Braga ao vencer, no Estádio dos Barreiros, o Sporting de Braga por 1-0, com golo do brasileiro Kanu.

O Braga entrou para este jogo demasiado temeroso e, durante toda a primeira parte, encontrou grandes dificuldades em acercar-se da baliza de Marcos com perigo. Do outro lado, a equipa de Bonamigo mostrou que não estava lá para facilitar e tomou as rédeas do jogo desde cedo.

O Marítimo dispôs de maior tempo de posse de bola, mais remates e mais oportunidades de perigo junto da baliza de Paulo Santos. O Marítimo chegou mesmo a introduzir a bola na baliza de Paulo Santos na primeira meia hora de jogo, mas o português Nuno Morais encontrava-se em posição irregular. Antes deste lance, já Paulo Santos havia protagonizado uma grande defesa na sequência de um canto.

O golo do Marítimo acabaria por chegar aos 37 minutos. Briguel (o outro português titular na equipa de Bonamigo) executou um lançamento longo e, na sobra, Kanu rematou a meia altura para o lado direito do guardião bracarense. O golo lançou a euforia nos espectadores maritimistas presentes neste campo.

O Braga encontrava-se então perante uma situação inédita no campeonato. A perder. A curiosidade era grande para saber como a equipa treinada por Jesualdo Ferreira reagiria e a verdade é que os jogadores do Braga mostraram-se impotentes para reagir.
O técnico bracarense ainda lançou Cesinha (ao intervalo) e Maxi Bevacqua durante a segunda parte (recorde-se que ainda na primeira parte Paulo Monteiro havia entrado para o lugar do lesionado Paulo Jorge), mas o volume ofensivo do Braga era muito escasso.

O brasileiro Paulo Bonamigo acabaria por ser vencedor do seu quinto jogo em Portugal (2 vitórias e 3 empates) e infligiu à turma de Braga a primeira derrota do campeonato.

O árbitro Lucílio Baptista perdoou a expulsão de Nem nos primeiros minutos de jogo após entrada dura sobre Kanu. Já perto do final, João Tomás caiu na área maritimista e, apesar do toque de Briguel, Lucílio Baptsta fez bem, na minha opinião, em prosseguir a jogada.

# Artigo de Rui Silva
Publicado às 19:08


futebol nacional

blogobola

blogs

portais

clubes

modalidades



© Livre Indirecto 2006 | Desenhado por Pedro Lopes